Mensagem de União e Força para o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Washington D. C. 24 de julho de 2020 – Desde 1992, todo dia 25 de julho, é comemorado o Dia Internacional das Mulheres Afro-Latino-Americanas, Afro-Caribenhas e da Diáspora, em comemoração ao Primeiro Encontro de Mulheres Afro-Latino e Afro-Caribenhas, realizado naquele ano na República Dominicana, e que foi o ponto de partida para a luta pela reivindicação e visibilidade das mulheres negras e toda a sua contribuição cultural e social na conformação dos Estados.

Por esse motivo, o Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (Raça e Igualdade), de mãos dadas com nossos parceiros e com o apoio da Rede de Mulheres Afro-Latino-Americanas, Afro-Caribenhas e Diáspora (RMAAD), preparamos um cartão postal * com a participação de mulheres ativistas de ascendência africana e líderes lésbicas e trans, representando 11 países da América Latina. Assim, celebramos e reconhecemos o trabalho inestimável de mulheres de ascendência africana nas Américas em seu compromisso de preservar sua cultura, combater a discriminação racial, de gênero e orientação sexual, e por serem o pilar de suas casas e comunidades.

Raça e Igualdade concorda com a premissa da RMAAD que descreve como as mulheres afrodescendentes sofrem uma discriminação tripla causada por gênero, raça e pobreza. Razão pela qual, em 25 de julho, nos comprometemos a continuar tornando visíveis os desafios que enfrentam, além de revisar nossas ações para avaliar nossas contribuições na melhoria da qualidade de vida das mulheres negras na região.

Embora se calcule que a população de afrodescendentes nas Américas seja de 30%, o que equivale a cerca de 300 milhões de pessoas, o Banco Mundial considera que aproximadamente 133 milhões de afrodescendentes vivem na América Latina e no Caribe. Reconhecendo que atualmente ainda existem lacunas nas estatísticas na condição das mulheres negras, enfatizamos a necessidade de compromisso na coleta desses dados e, assim, poderemos contar com as ferramentas básicas para responder adequadamente às principais demandas das mulheres negras na América Latina.

Agora que a pandemia do COVID-19 aumentou as desigualdades e a vulnerabilidade das mulheres negras, queremos elevar suas vozes e transmitir uma mensagem de incentivo que motive muitas outras mulheres a superar suas duras realidades. Desse modo, recomendamos que os Estados criem e/ou fortaleçam os projetos, programas e mecanismos necessários para combater a violência e a discriminação que afetam as mulheres afrodescendentes nas Américas, porque somente trabalhando juntos podemos fechar as grandes lacunas enfrentadas pelas afrodescendentes em nosso continente.

*Como homenagem póstuma, incluímos Marianita Minda, líder equatoriana e fundadora da Coordenadora Nacional de Mulheres Negras do Equador, falecida em maio passado.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Latest News

Clément Voule – Relator Especial de la ONU sobre Libertad de Asociación y Reunión Pacífica: “Hago un llamado al Gobierno de Nicaragua para que garantice el derecho de reunión pacífica durante el proceso electoral”
Clément Voule – Relator Especial de la ONU sobre Libertad de Asociación y Reunión Pacífica: “Hago un llamado al Gobierno de Nicaragua para que garantice el derecho de reunión pacífica durante el proceso electoral”
abril 21, 2021
Washington D.C., 21 de abril de 2021.- Luego del estallido social en abril de 2018, el Gobierno de Nicaragua ha restringido el derecho a la libertad de reunión y manifestación pacífica de un
Antonia Urrejola – Presidenta de la CIDH: “Seguiremos siendo incansables en promover los derechos humanos en Nicaragua; la impunidad y la injusticia no lograrán perpetuarse”
Antonia Urrejola – Presidenta de la CIDH: “Seguiremos siendo incansables en promover los derechos humanos en Nicaragua; la impunidad y la injusticia no lograrán perpetuarse”
abril 20, 2021
Washington D.C., 20 de abril de 2021.- Al conmemorar tres años de la grave crisis socio-política y de derechos humanos en Nicaragua, el Instituto sobre Raza, Igualdad y Derechos Humanos (Raz
Organizaciones de la sociedad civil de Nicaragua sufren persecución y graves violaciones a las libertades fundamentales
Organizaciones de la sociedad civil de Nicaragua sufren persecución y graves violaciones a las libertades fundamentales
abril 19, 2021
Washington D.C., 19 de abril de 2021.- A tres años del inicio de la crisis sociopolítica y de derechos humanos, en Nicaragua persiste la represión contra las víctimas de violaciones de derec