Mensagem de União e Força para o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Washington D. C. 24 de julho de 2020 – Desde 1992, todo dia 25 de julho, é comemorado o Dia Internacional das Mulheres Afro-Latino-Americanas, Afro-Caribenhas e da Diáspora, em comemoração ao Primeiro Encontro de Mulheres Afro-Latino e Afro-Caribenhas, realizado naquele ano na República Dominicana, e que foi o ponto de partida para a luta pela reivindicação e visibilidade das mulheres negras e toda a sua contribuição cultural e social na conformação dos Estados.

Por esse motivo, o Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (Raça e Igualdade), de mãos dadas com nossos parceiros e com o apoio da Rede de Mulheres Afro-Latino-Americanas, Afro-Caribenhas e Diáspora (RMAAD), preparamos um cartão postal * com a participação de mulheres ativistas de ascendência africana e líderes lésbicas e trans, representando 11 países da América Latina. Assim, celebramos e reconhecemos o trabalho inestimável de mulheres de ascendência africana nas Américas em seu compromisso de preservar sua cultura, combater a discriminação racial, de gênero e orientação sexual, e por serem o pilar de suas casas e comunidades.

Raça e Igualdade concorda com a premissa da RMAAD que descreve como as mulheres afrodescendentes sofrem uma discriminação tripla causada por gênero, raça e pobreza. Razão pela qual, em 25 de julho, nos comprometemos a continuar tornando visíveis os desafios que enfrentam, além de revisar nossas ações para avaliar nossas contribuições na melhoria da qualidade de vida das mulheres negras na região.

Embora se calcule que a população de afrodescendentes nas Américas seja de 30%, o que equivale a cerca de 300 milhões de pessoas, o Banco Mundial considera que aproximadamente 133 milhões de afrodescendentes vivem na América Latina e no Caribe. Reconhecendo que atualmente ainda existem lacunas nas estatísticas na condição das mulheres negras, enfatizamos a necessidade de compromisso na coleta desses dados e, assim, poderemos contar com as ferramentas básicas para responder adequadamente às principais demandas das mulheres negras na América Latina.

Agora que a pandemia do COVID-19 aumentou as desigualdades e a vulnerabilidade das mulheres negras, queremos elevar suas vozes e transmitir uma mensagem de incentivo que motive muitas outras mulheres a superar suas duras realidades. Desse modo, recomendamos que os Estados criem e/ou fortaleçam os projetos, programas e mecanismos necessários para combater a violência e a discriminação que afetam as mulheres afrodescendentes nas Américas, porque somente trabalhando juntos podemos fechar as grandes lacunas enfrentadas pelas afrodescendentes em nosso continente.

*Como homenagem póstuma, incluímos Marianita Minda, líder equatoriana e fundadora da Coordenadora Nacional de Mulheres Negras do Equador, falecida em maio passado.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Latest News

3 meses del Paro Nacional en Colombia
3 meses del Paro Nacional en Colombia
julio 29, 2021
Colombia, 29 de julio de 2021. El 28 de julio el país cumplió 3 meses desde el inicio del Paro Nacional. Durante este tiempo, muchas vidas se han perdido, jóvenes han sido desaparecidos y la
25 de julio: Llamado a los Estados de las Américas para garantizar y proteger los derechos de las mujeres afrolatinas, afrocaribeñas y de la diáspora
25 de julio: Llamado a los Estados de las Américas para garantizar y proteger los derechos de las mujeres afrolatinas, afrocaribeñas y de la diáspora
julio 25, 2021
Washington D.C., 25 de julio de 2021.- Las mujeres afrolatinas, afrocaribeñas y de la diáspora luchan y resisten cada día ante el racismo sistémico y la violencia de género, situaciones que
Oportunidad de Trabajo – Abogada/o Junior
Oportunidad de Trabajo – Abogada/o Junior
julio 22, 2021
Colombia, 22 de julio de 2021 - El Instituto Internacional sobre Raza, Igualdad y Derechos Humanos (Raza e Igualdad) es una organización internacional no gubernamental de defensa y protecció