Raça e Igualdade promoveu o webinar “Movendo as Estruturas: Diálogos sobre Raça, Gênero e Sexualidade durante a COVID-19 no Brasil”

Brasil, 15 de julho de 2020. Com a presença da Ana Almeida, advogada da Comissão Interamericana de Direitos Humanos vinculada a Relatoria dos direitos das mulheres (CIDH), o Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (Raça e Igualdade) convidou lideranças do movimento negro e LGBTI para um debate sobre os avanços da COVID-19 no Brasil, principalmente, nas questões voltadas a raça, gênero e sexualidade. O evento intitulado “Movendo as Estruturas: Diálogos sobre Raça, Gênero e Sexualidade durante a COVID-19 no Brasil”, baseou-se em apresentar à CIDH propostas que almejem promover mudanças estruturais que garantam os direitos dos grupos vulnerabilizados e, também, encontrar pistas de como a sociedade civil pode se articular de maneira cada vez mais organizada para o enfrentamento da pandemia no Brasil.

O seminário online teve a participação dos palestrantes: Alessandra Ramos, Presidente do Instituto TransFormar Shélida Ayana; Bruna Benevides, Secretaria de Articulação Política da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA); Lúcia Xavier, Coordenadora Geral da ONG Criola; Rodnei Jericó da Silva, Coordenador do SOS Racismo – Instituto Geledés; e Washington Dias, Coordenador de Relações Institucionais da Rede Afro-LGBT. Além disso, o debate contou com a abertura de Carlos Quesada, Diretor Executivo do Instituto Raça e Igualdade, e a mediação de Isaac Porto, Consultor LGBTI de Raça e Igualdade no Brasil.

“As populações mais vulnerabilizadas veem crescer o número de adoecidos e mortos. A comunidade negra é a mais atingida negativamente pelo avanço da pandemia: dados recentes demonstram que mais de 60% dos óbitos decorrentes de COVID-19 correspondem a pessoas negras”, Carlos Quesada, Diretor de Raça e Igualdade.  

Diante do cenário de negacionismo do governo brasileiro durante a COVID-19, esteve latente entre todos os palestrantes a preocupação com os caminhos da sociedade brasileira, principalmente entre a parcela mais vulnerabilizada, uma vez que o momento político atual apresenta uma série de retrocessos em matéria de direitos humanos e na precarização da vida. Entre os pontos urgentes, destacam-se: necessidade de assistência e de políticas públicas direcionadas à população LGBTI; atenção aos sistemas de saúde e as políticas sanitárias, além de políticas que visem a saúde mental das populações mais vulnerabilizadas; urgência no debate racial atravessado pelas questões de gênero e sexualidade e pelas desigualdades sociais; ações que visem coibir as práticas de dominação do Estado que violam os direitos sexuais e reprodutivos dos corpos cis e transgêneros; denúncia da violência policial; e a necessidade de reestruturação dos organismos de direitos humanos.

Para Alessandra Ramos, do Instituto Transformar, devido à falta de assistência, a população LGBTI tem vivido um adoecimento generalizado e muitas pessoas trans ficaram sem receber o auxílio emergencial do governo. “Há relatos de mulheres trans que durante a pandemia tiveram que continuar o trabalho sexual para sobreviver e muitas delas não tiveram acesso ao auxílio inadequado oferecido pelo governo brasileiro. Muitas tiveram problemas com documentação e no momento do registro do cadastro social foram excluídas como beneficiárias”, denuncia.

O Coordenador da Rede Afro-LGBT, Washington Dias, fez um chamado para atual crise sanitária e a precarização do sistema de saúde brasileiro. Segundo Washington, a pandemia trouxe à tona o fato de que o acesso à água não é democrático, pois o gesto simples de lavar as mãos tornou-se um privilégio em tempos de coronavírus. “O novo marco de saneamento [1] vai possibilitar o processo de privatização da água, o que vai acirrar o processo de saneamento e acesso à água da população brasileira. Como exemplo, temos o caso de Manaus, que tem sua rede de água privatizada, e somente 20% da população tem acesso ao esgoto”, desabafa.

A desinformação como projeto político foi o alvo da crítica de Lúcia Xavier, da ONG Criola, que também destacou que as mulheres negras e LGBTI estão no centro do debate, no qual o controle do corpo, da mente, a exploração e a precarização da vida são essenciais para o avanço do conservadorismo. “O Estado autoritário desqualifica a pandemia e traz informações inadequadas para a população. Não há porta-vozes para trazer informações concretas e reais, e essas desinformações vão gerar e aprofundar as mortes e também viola os direitos da população de escolha e de proteção como garantia de vida”, frisou.

Através de sua fala, Bruna Benevides, da ANTRA, cobrou posicionamentos da CIDH sobre a falta de ações específicas do Estado frente a população Afro-LGBTI, incluindo a população de rua, considerando que entre estes, cerca de 30% é LGBTI. Além disso, trouxe também as questões como hormonioterapias e de cirurgias de designação sexual que foram interrompidas com a pandemia. “Nós vemos surgir, em meio a uma pandemia, projetos de lei que estabelecem critérios biológicos para definir os gêneros das pessoas na esfera federal, então, qual o posicionamento da CIDH sobre este projeto que viola as deliberações da própria Comissão? Ao meu ver, estamos vivendo um processo de institucionalização da transfobia com a COVID-19”, desabafa.

Novos Paradigmas: Um chamado às Organizações de Direitos Humanos

Ao evidenciar o racismo estrutural e institucional potencializado pela pandemia, Rodnei Jericó da Silva, do Instituto Geledés, salientou que há anos as questões como a crise sanitária, o aumento da violência policial e a corrupção que afetam diretamente as comunidades mais pobres estão sendo sistematicamente denunciadas aos organismos internacionais. Para Rodnei, já há insumos suficientes sobre violações no Brasil e na América Latina para que o sistema de direitos humanos se pronunciem instando aos Estados providências concretas pelas questões expostas e agravadas pela pandemia. “Nós temos aqui no Brasil, um George Floyd a cada 23 minutos [2], com isso, enfatizo que os sistemas de direitos humanos precisam rever seus parâmetros e suas possibilidades de respostas, porque hoje, são insuficientes”, evidenciou.

O apelo à renovação dos sistemas internacionais de direitos humanos também foi enfatizado por Lúcia Xavier, que chamou atenção para a violência profunda do momento político atual, que descartou todos os paradigmas de direitos humanos que estão em jogo há mais de trinta anos no Brasil e no mundo. A Coordenadora da ONG Criola apontou como essa pandemia traz novos desafios não somente para a sociedade, mas também para as organizações que atuam em prol dos direitos humanos. “É preciso ler essa nova realidade, as relações sociais mudaram profundamente e na medida que elas mudam, as políticas em torno delas também mudam. Por isso, os mecanismos de direitos humanos precisam ser renovados, a realidade não é mais a mesma, estamos sob outros paradigmas e com nossas instituições públicas governadas por pessoas que não admitem direitos humanos”, reforçou.

“Se as dinâmicas das instituições que defendem os direitos humanos não mudarem, o que vai acontecer é que suas mesas vão ficar cheias de papéis, reclamações e de corpos de pessoas mortas socialmente e fisicamente. Essas organizações não estão olhando a sociedade e suas mudanças, estão acumulando informações como um grande banco de dados e depois não sabem o que fazer. É necessário olhar quais são as novas esferas de relação de poder”. Lúcia Xavier, ONG Criola. 

Finalizando o debate, Ana Almeida, da CIDH, reconheceu a importância de um diagnóstico atual e direto sobre os organismos internacionais de direitos humanos, ressaltando que há toda uma burocracia e relações políticas que permeiam as ações, mesmo em organismos internacionais autônomos. Ana lembrou que é preciso atualizar o olhar sobre as questões raciais, reconhecendo que não são suficientes, mas que vê uma mudança, mesmo que ainda seja a pequenos passos. “Sobretudo em Estados federados com o Brasil, as dificuldades em se coordenar políticas públicas têm sido gritantes, e por isso, grupos vulnerabilizados estão tendo que criar seus próprios sistemas de respostas à pandemia, quando deveria ser obrigação do Estado”, reconheceu.

O evento, que foi transmitido pela plataforma Zoom e pelo Facebook, destacou como a COVID-19 acirrou as desigualdades de raça, gênero e sexualidade e, além disso, como esse assunto será sempre latente num país em que o avanço de políticas conservadoras promove um retrocesso das pautas de direitos humanos. Segundo Isaac Porto, moderador do debate, “No Brasil, a raça é uma ideia que autoriza múltiplas formas de extermínio e de desresponsabilização do Estado, o que se torna ainda mais nítido com a pandemia de COVID-19”.

Raça e Igualdade reafirma o compromisso em promover alianças com movimentos sociais para lutar pelos direitos humanos no Brasil, levando em consideração os enfoques direcionados aos organismos internacionais para construção de dinâmicas que atendam a realidade e seus novos processos. Desse modo, conclamamos o Estado brasileiro a tomar medidas urgentes de valorização da vida com garantias dignas de saúde e sobrevivência as populações vulnerabilizadas.

Assista o vídeo do nosso webinar:

[1] https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/07/15/bolsonaro-sanciona-novo-marco-legal-do-saneamento-basico.ghtml

[2] https://www.geledes.org.br/cada-23-minutos-um-jovem-negro-morre-no-brasil-diz-onu-ao-lancar-campanha-contra-violencia/ 

 

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Latest News

Representantes de la sociedad civil independiente en Cuba y la Relatora sobre los Derechos de las Mujeres de la CIDH llaman al Estado a cesar represión en contra de mujeres activistas
Representantes de la sociedad civil independiente en Cuba y la Relatora sobre los Derechos de las Mujeres de la CIDH llaman al Estado a cesar represión en contra de mujeres activistas
octubre 28, 2020
Washington D.C., 28 de octubre de 2020.- Representantes de la sociedad civil independiente en Cuba y la Relatora sobre los Derechos de las Mujeres de la Comisión Interamericana de Derechos H
Relatora Especial de Naciones Unidas sobre Defensores de Derechos Humanos llama a los Gobiernos a cumplir su obligación de proteger la vida de defensoras y defensores
Relatora Especial de Naciones Unidas sobre Defensores de Derechos Humanos llama a los Gobiernos a cumplir su obligación de proteger la vida de defensoras y defensores
octubre 22, 2020
Washington D.C., 22 de octubre de 2020.- La Relatora Especial de Naciones Unidas sobre Defensores de Derechos Humanos, Mary Lawlor, llamó a los Gobiernos a cumplir con su obligación de prote
Libertad inmediata para el estudiante Kevin Solís, pide el Grupo de Trabajo sobre Detención Arbitraria de la ONU
Libertad inmediata para el estudiante Kevin Solís, pide el Grupo de Trabajo sobre Detención Arbitraria de la ONU
octubre 21, 2020
El Grupo de Trabajo sobre la Detención Arbitraria de las Naciones Unidas hizo pública este 20 de octubre una opinión adoptada sobre la detención del activista universitario Kevin Solís el 6