Debate urgente sobre as “atuais violações de direitos humanos por motivos raciais, racismo sistêmico, brutalidade policial e violência contra protestos pacíficos”

43ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos

18 de junho de 2020

Senhora Presidente, Black Lives Matter.

Esta declaração é submetida pela ILGA-Mundo em conjunto com o Instituto Internacional para Raça, Igualdade e Direitos Humanos (Raça e Igualdade). Chama a atenção para a situação de injustiça racial e brutalidade policial que afeta pessoas de afrodescendentes, incluindo as pessoas dessa comunidades com diversas orientações sexuais, identidades e expressões de gênero e características sexuais (OSIEGCS) em todo o mundo.

O assassinato de George Floyd provocou protestos que destacaram o racismo estrutural e sistêmico que permeia os Estados Unidos da América e repercutiram e foram incorporados por outras comunidades ao redor do mundo. A resposta militarizada a esses protestos restringe o direito à liberdade de reunião e expressão, enquanto incidentes repetidos de brutalidade policial continuam sendo denunciados e relatados.

Em todo o mundo, durante esta Década Internacional de Afrodescendentes, pessoas LGBTI afrodescendentes são mortas e suas mortes são ignoradas porque são pessoas de descendência africana e têm diversas OSIEGCS. Atores estatais, como a polícia, estão entre os autores de violência e assassinato dessas pessoas. Esses atores falham em seu dever de proteger os direitos humanos. E nos casos em que os atores estatais não estão entre os autores de tal violência, esses crimes geralmente não são adequadamente investigados, processados e punidos. Isso leva à impunidade desses autores.

O direito internacional dos direitos humanos deve ser o marco que guia os Estados em resposta a atos como esses. Os Estados devem examinar como a administração da justiça é aplicada e como as pessoas de descendência africana, incluindo as pessoas LGBTI, são desproporcionalmente afetadas por um sistema de justiça injusto, que é um legado direto de séculos de colonialismo e escravidão. Saudamos a carta da Relatora Especial sobre Racismo e chamamos os Estados e as partes interessadas a abordar as causas fundamentais da violência, discriminação e estigma raciais e suas intersecções com a diversidade de OSIEGCS.

Assim, instamos os Estados a apoiar a criação de dois mecanismos internacionais independentes de investigação sobre o racismo sistêmico e a aplicação da lei nos Estados

Unidos da América e sobre o racismo sistêmico na aplicação da lei, relacionados aos legados da escravidão e do colonialismo, e instamos esses mecanismos a avaliar como essas questões se interseccionam e são amplificadas devido a outros motivos, como OSIEGCS e gênero.

Obrigado, Senhora Presidente.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Latest News

Raza e Igualdad condena represión del Gobierno cubano en contra de la sociedad civil y prensa independiente y exige respeto a la libertad de expresión y reunión pacífica
Raza e Igualdad condena represión del Gobierno cubano en contra de la sociedad civil y prensa independiente y exige respeto a la libertad de expresión y reunión pacífica
noviembre 25, 2020
Washington D.C., 25 de noviembre de 2020.- El Instituto sobre Raza, Igualdad y Derechos Humanos (Raza e Igualdad) condena las acciones de represión que mantiene el Gobierno de Cuba en contra
Departamento de Estado de Estados Unidos debe presionar por justicia ante asesinato de un hombre afrobrasileño por agentes de seguridad en una tienda Carrefour
Departamento de Estado de Estados Unidos debe presionar por justicia ante asesinato de un hombre afrobrasileño por agentes de seguridad en una tienda Carrefour
noviembre 24, 2020
Washington D.C., 24 de noviembre de 2020.- El Instituto Internacional sobre Raza, Igualdad y Derechos Humanos (Raza e Igualdad) y WOLA (Washington Office on Latin America) unen sus voces a l...
Raza e Igualdad invita al webinar Participación Política de Mujeres Afrodescendientes en América Latina y el Caribe: Retos y Oportunidades
Raza e Igualdad invita al webinar Participación Política de Mujeres Afrodescendientes en América Latina y el Caribe: Retos y Oportunidades
noviembre 20, 2020
Washington D.C., 20 de noviembre de 2020.- El Instituto sobre Raza, Igualdad y Derechos Humanos (Raza e Igualdad), junto a la Red de Mujeres Afrolatinoamericanas, Afrocaribeñas y de la Diásp