Raça e Igualdade condena a Chacina do Jacarezinho

Brasil, 07 de maio de 2021 – O Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos (Raça e Igualdade) condena e repudia o uso excessivo da força policial que resultou no massacre de 25 pessoas na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, neste dia 06 de maio de 2021. Casas foram invadidas, moradores agredidos, além de caveirões aéreos terem aterrorizado toda a comunidade. O Rio de Janeiro vivenciou a operação policial com o maior número de mortos da história. Nesse cenário repleto de violações de direitos humanos, exortamos a responsabilização do Governador Claudio Castro juntamente com a Polícia Militar envolvida na operação.

Uma cidade que traz em seu legado diversas chacinas não protege seus cidadãos. Em 1993, chacinas de Vigário Geral (21 mortos) e da Candelária (8 mortos); em 2017, do Alemão (19 mortos) e, 2021, do Jacarezinho (25 mortos). Cidadãos foram baleados nas estações de trem e de metrô. Não há política de segurança que se explique através do fogo cruzado e de tiros à queima roupa na população. Não há política de combate às drogas que justifique a letalidade de quem vive em situação de vulnerabilidade. Segundo a Rede Observatório de Segurança, somente no primeiro trimestre de 2021, houve 257 operações policiais, com 69 mortes no Rio de Janeiro, mesmo após o julgamento da ADPF das Favelas, em que o STF impôs restrições às operações policiais como forma de conter a violência policial.

Raça e Igualdade faz um chamado a comunidade internacional para exigir justiça diante da violência de um Estado cuja política de morte executou jovens e crianças moradores da comunidade. Enfatizamos aos órgãos internacionais de direitos humanos que no Brasil as pessoas que o Estado considera como “suspeitas”, possuem cor e classe. O racismo histórico e estrutural atravessa a política de segurança vigente, sendo a população negra que mais sofre com a violência policial e representa a maior parte da população carcerária do país. Lembramos também, que o governador Claudio Castro além de descumprir uma determinação da Suprema Corte do país, causou a morte de crianças. Somente no Rio de Janeiro, de janeiro a junho do ano passado, 99 crianças e adolescentes foram mortos por policiais, sendo 27% na capital e 73% em outros municípios.

Leia: O mundo precisa olhar para o que está acontecendo no Brasil

Prestamos solidariedade a toda a comunidade do Jacarezinho e aos familiares das vítimas diante da barbárie. Um Estado que contabiliza 45 mil mortes por COVID19 realizar uma operação policial truculenta é o mesmo que afirmar que não valoriza a vida dos seus cidadãos. Quais vidas realmente importam diante de uma política de morte? Lembramos que, para o combate ao crime organizado, é preciso estratégia, equipe de inteligência, monitoramento e ações coordenadas. Não se combate a violência com mais violência! Carlos Quesada, Diretor Executivo de Raça e Igualdade, expressa sua indignação e declara que ação policial que ocorreu hoje tem diversos nomes: barbárie, massacre, extermínio, chacina – todas direcionadas aos corpos negros, pobres e favelados. Exigimos respostas do Ministério Público e dos órgãos de justiça sobre esta operação que, mais uma vez, opera para o extermínio da juventude negra no Brasil!

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments

Latest News

Transcinema: presencia y representación trans en el audiovisual brasileño
Transcinema: presencia y representación trans en el audiovisual brasileño
junio 11, 2021
Brasil, 11 de junio de 2021 - “Nunca imaginé vivir en un país que más mata travestis y transexuales. Nunca imaginé lo poderosa que podría ser la referencia de mi población, actuando dentro y
Organizaciones afrocolombianas denuncian ante la CIDH que al menos el 39% de las víctimas de violaciones a DDHH en medio del paro son afrodescendientes
Organizaciones afrocolombianas denuncian ante la CIDH que al menos el 39% de las víctimas de violaciones a DDHH en medio del paro son afrodescendientes
junio 10, 2021
Colombia, 10 de junio de 2021.- Ante la CIDH, un grupo de organizaciones afrocolombianas liderado por PCN, AFRODES, Corporación Instituto Internacional Raza, Igualdad y Derechos Humanos, COD
Menstruación y derechos humanos, un debate necesario para avanzar hacia la plena garantía de derechos humanos en la región
Menstruación y derechos humanos, un debate necesario para avanzar hacia la plena garantía de derechos humanos en la región
mayo 28, 2021
Washington D.C., 28 de mayo de 2021.- Con el objetivo de visibilizar y ampliar el entendimiento sobre la menstruación y su relación con los derechos humanos, el Instituto sobre Raza, Igualda